segunda-feira, outubro 05, 2009

Frases de Georges Bernanos

A voz esconde, o rosto revela;

O segredo da felicidade é ser capaz de encontrar a própria alegria na alegria de outrem;

Dentre os incômodos da idade, a experiência é um dos maiores;

A esperança é um risco a se correr;

Desmontar para reconstruir, sem se saber lá muita coisa do futuro monumento, senão que ele será belíssimo – chama-se fazer uma Revolução;

O fervor da juventude mantém o resto do mundo na temperatura normal; quando a juventude resfria, o resto do mundo bate os dentes;

O otimismo sempre me pareceu o álibi hipócrita dos egoístas, preocupados em dissimular a crônica satisfação consigo mesmos. Eles são otimistas para se dispensarem de ter piedade dos homens e da infelicidade dos homens;

As estultícias mais irreparáveis são aquelas cometidas em nome dos princípios. Os erros mais perigosos são aqueles em que a proporção de verdade se conserva assaz forte para descobrir um caminho até o coração do homem;

Um mundo conquistado pela Técnica está perdido para a Liberdade;

Quem nunca viu a estrada ao alvorecer, entre dois renques de árvores – tão fresca, tão vivaz – não sabe o que é a esperança;

O futuro é algo que se supera. Ninguém sofre o futuro, mas o faz;

A vida não traz desilusões, ela só tem uma palavra – que mantém;

O acaso parece conosco;

A caridade, como a razão, é um dos elementos da consciência;

Os verdadeiros inimigos da sociedade não são os que ela explora ou tiraniza, mas os que humilha;

A força e a fraqueza dos ditadores funda-se no pacto com o desespero dos povos; [No original o verbo está no singular]

Não existem meias verdades;

Ninguém atinge as profundezas da própria solidão;

É belo estar acima do orgulho. Por isso, é preciso alcançá-lo;

A reforma das instituições vem tarde demais, quando a alma dos povos está despedaçada;

O imbecil é, antes de tudo, hábito e preconceito;

É preciso expiar pelos mortos;

A cólera dos imbecis inunda o mundo;

É tolice das grandes escrever que o homem mediano só é suscetível a paixões medianas;

Uma coletividade não tem consciência. Se parece que tem uma, é que nela subsiste o número indispensável de consciências refratárias;

O intelectual é tão amiúde um imbecil, que deveríamos sempre tê-lo por tal, até que nos prove o contrário;

Quando os sábios estão no auge da sabedoria, convém escutarem as crianças;

Não somos responsáveis por como nos compreendem, mas por como nos amam;

Mas, o que chamamos de acaso, não seria a lógica de Deus?

Os cálculos mais perigosos são os que chamamos de ilusões;

Os outros, infelizmente, somos nós!

A idéia de grandeza jamais assegurou a consciência dos imbecis;

A esperança... é a maior e a mais difícil vitória que um homem conquiste sobre a alma;

O inferno é a cessação do amor;

É preciso saber arriscar-se ao medo como uma pessoa se arrisca à morte; a verdadeira coragem está nesse risco;

A verdadeira humildade é, antes de tudo, decência e equilíbrio.

Um comentário:

Tia Cê, a Luz emana de mim disse...

Obrigada Luiz, você como sempre atento ao que importa, muito obrigada.